quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Só...

Sinto-me só e com vontade de.....nada.....
só ficar, só
entre as palavras

Talvez elas me entendam quando pressentirem esta vontade de ficar só com elas, e com elas me confundir, difundindo-as a troco de nada

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Entra (por Alexandra Solnado)

Entra em cada pessoa. Entra lá dentro. Põe a tua consciência dentro do seu coração. Coloca a tua mente dentro dos olhos de cada um deles. O que é que eles vêem? Como é que cada um deles vê esta vida, este mundo, como é que cada um te vê a ti.


Se for um amigo, vê tudo pelos olhos dele. Fica aí um pouco, em meditação. Não tenhas medo de te envolver. Não tenhas medo de sair do teu posto, do teu lugar de durão e insensível. Vai lá e vê tudo pelos olhos deles. Pelos olhos de quem eles são.


O que desejam essas pessoas? O que é que as faria viver melhor? Eu não disse viver mais confortavelmente. Esquece o conforto. Eu disse viver melhor. Com mais qualidade, com mais tranquilidade. Com mais alma.


O que seria preciso fazer para que essas almas pudessem vir cá para fora regozijar a sua existência? Tu podes saber. Tu podes ajudar. É só ver, daí, como o mundo corre quando corre para melhor.


O LIVRO DA LUZ – Pergunte, O Céu Responde,de Alexandra Solnado

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Ser um SER


Se não conseguir chegar a tempo de te dizer que te amo, quero que saibas:
que o amor não corre
o Amor não se move
o Amor não se comove com o tempo que passa enquanto me esperas....

O AMOR é só uma pequena partícula, que me faz viver

A vida que me permite amar, desejar, ser um SER de luz

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Resposta (De Alexandra Solnado)

Tudo o que acontece na tua vida tem um desígnio. As mais ínfimas coisas que
atrais, têm um motivo para lá estarem, para acontecerem precisamente dessa
maneira, fielmente nesse momento, e literalmente nesse lugar. Tudo aí na ma-
téria é milimetricamente perfeito, para que vocês possam responder de acordo.
De acordo com quem são, naturalmente. De acordo com o que escolhem ser
nessa circunstância, nesse tempo e nesse lugar.

Podias perguntar-me agora: «Como é que a matéria, um local tão denso e tão
pesado, pode responder a impulsos tão subtis, ao ponto de tudo ser perfeito?»
E a resposta é simples. Vocês vivem num sistema energético, e o sistema e-
nergético funciona em qualquer frequência. Se uma pessoa está densa, através
do sistema energético atrai pessoas e situações densas. Se uma pessoa está
leve, atrai pessoas e situações leves. É simples.Como tudo,visto daqui de cima.

Por isso, e voltando atrás, a situação em que te encontras está a querer falar
contigo, está a querer mostrar-te coisas, fazer-te sentir emoções, fazer-te mo-
dificar o teu sistema de crenças para que possas abrir a mente e acreditar em
novas possibilidades. Inclusive novas possibilidades para ti próprio, como pes-
soa.

A questão aqui é: o que é que significa isto tudo? Porque é que te encontras
nesta situação e não noutra? O que é que deves aprender com isto tudo? E
eu,daqui de cima, até te poderei responder. Mas para isso tens de vir cá aci-
ma.

Só há uma coisa que tens mesmo de aceitar: a resposta não a tens, e não es-
tá aí em baixo. Por isso faz o que te digo: procura no Eu Superior a resposta,
ou, se ainda sabes como é que se faz, fecha os olhos, relaxa e pergunta «o que
é que o Universo me quer dizer com esta situação?» Fica. A zeros. Não penses
em nada. Limita-te a fazer a pergunta. E activa toda a tua sensibilidade. Intui.
Percepciona. E vais achar que estás a imaginar coisas. Mas não. Essa é a res-
posta.

O LIVRO DA LUZ – Pergunte, O Céu Responde,
de Alexandra Solnado

sexta-feira, 24 de junho de 2011

O rochedo vibra

(foto; São Gonçalves)


O rochedo vibra enquanto os sons se propagam e as ondas se volteiam, para mais uma viagem interminável...lá onde o infinito é a espera e nós a alma em busca do nosso ponto de encontro. Este vazio que me deixa inerte, sei-o bem. Sei-o tão bem quanto o bem que me quer, quando me exponho a ele, e me recebe como quem quer, ...sem saber de um querer mareante no olhar afogueado a descansar no cais.



Largadas são as vozes nesse ondular constante, e o eco afunda-se nas águas que se querem vivas para humedecer os olhos de quem quer sair de si e ir ao encontro de um rio que adormece na folhagem verde a vaguear por entre as marés que se vestem de branco. Brancos são também os olhos dos que têm à sua mesa as toalhas de puro linho, e aguardam pelo manjar dos deuses fazendo jus ao seu nome nas ruas desertas, esquecidas pelos nomes todos que as conheceram enquanto vida a encher as cidades. Mas os movimentos trazem consigo a dor de todos os que ainda vivem encostados às paredes sujas, trajadas de negro - resquícios ainda de quem caiu e não se levantou para ir ao encontro de um sonho bem perto do rio que desaguou no mar e não sabe agora para onde se dirigir; se para a foz se para a formação de novos diques que lhes reforcem a vontade de navegar.

A poesia de Giraldoff


Oculto-me nas horas

Assim me inverto
Assim se verte o tempo
Incerto


Como um vaso
vazando
no vazio


Vertendo invisíveis transparências
Derramando transparentes invisibilidades

Sombras brancas que flutuam

Fluem como memória
Afluem como palavra
Tornando-me incessável poema

Como verso de um sonho insano
Que florescido murchou


Abismos de lava suspensa
Oblíquas espirais de chama triangular
Anguladas lâminas em lábios diagonais


Metades sobre metades
Partes de partes incompletas
Como macilentos traços
de um retrato ensandecido


Delírios sobre delírios
Ecos perdidos (quase gritos)
Em emudecido sustenido


Mantos negros (talvez céus)
Detalhes de um destino por incumprir


Inabitável é a hora
Ocultado é o tempo que me pausa, agora

Do outro lado do mundo os mitos nascem em verso


Poema de Giraldoff (Filipe Campos Mello)

********************************************

Vejo-te talvez no reverso do teu imaginário e gosto de te sentir parte de um mundo que me é tão vasto, quanto a tua viagem que se destina a ser só uma viagem sem destino, ou só com um objectivo de ser um destino incerto.
Esse tempo que nos tem juntos, leva-nos para um sítio certo, como certos sãos os nossos passos em volta de um fundo, tão fundo como o mar de sensações à espera de enchentes de um novo tempo

Essa dualidade talvez me tenha muito próximo, ou muito longe de ser o teu reverso, cumprindo um destino certo, de te ser verso inteiro com vários destinos a cumprir do outro lado do mundo……esse mundo que eu adoro, e quero perto, mesmo sendo por si só, um mito.

Esse estado alerta, que se nota cada vez mais na tua poesia e que mes transporta para lugares de sonho, mesmo que esses lugares sejam ainda só uma alegoria de um mundo que só existe no teu imaginário, ele é tão real, quanto o teu corpo á espera de novas sensações. Esse corpo que serve de apogeu a todo e qualquer poema, que a tua alma faz chegar até mim….


Dolores Marques

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Ser

(Imagem da Net)


Pensar e repensar na atitude em querer ser o que se É,

pois correr-se-á o risco de parecer o que não se É…

Isto de se ser, é um pau de dois bicos:
- ou se É, não sendo, ou não se É, sendo.


Se se È, É-se
Se não se É, deixa-se de ser
E acaba-se todo o ser que há em nós

E se nos escondêssemos todos, com medo de represálias - tipo sermos abafados pelas “massas” que boicotam toda a nossa estrutura, física, mental, emocional e espiritual, ao ponto de deixarmos e ser nós, para sermos o preenchimento da base de um poder excomunal?

quarta-feira, 18 de maio de 2011

...a querer atingir o céu



Viajante num universo complexo, tal a complexidade de que sou composta, é saber que vou, sem no entanto sair do mesmo lugar onde finco os pés e não levanto as mãos por tão pesadas se encontrarem em mundos perdidos, onde descanso as pálpebras e nego as semelhanças com um mundo que me espera. Preciso reaprender a caminhar com um pé à frente e outro atrás e as mãos em concha para saber receber e saber doar, sem imposições de qualquer espécie. Este, é um método infalível para receber o verdadeiro conhecimento, sem no entanto cair ao tentar contrabalançar o corpo num ritmo desacertado onde todos os olhos se movimentam. Preciso sair deste estado e entrar num mais de acordo com o meu estado de espírito neste dia de chuva tal um nervoso miudinho a salpicar todas as palavras mal-ditas que me fazem, andar por lugares desconhecidos, e se arrogam de formas e normas a quererem endireitar o mundo. Há um meio de as contradizer! Fazer de contraponto por entre os espaços em branco de todas as palavras ditas e não ditas e ficar em pé a fazer de ponto de exclamação.

Interrogam-me: onde se esconderam os pontos e vírgulas das tuas palavras, que ousam desfrutar de uma realidade controversa imposta por um pensamento abstracto?
Respondo: na minha fé em conseguir manter-me de pé e ficar a ver que há espaços em branco em todos os espaços ocupados por figuras com um nível de abstraccionismo elevado ao cubo. Há cubículos que não se prestam a nada, já outros recebem todos os níveis de abstracção. Delinquentes modos e feitios a querer formar palavras.

E eu por nunca me saber encontrar no meio delas, julgo-me então como quem se acaba num conjunto infinito de sons, que trazem carimbos de outras eras em que me sucedia em prol de uma humanização mais terrena, em busca de algo que me endireitasse as costas e me conduzisse ao ponto fulcral onde existe a verdade absoluta, que faz de todas as palavras eleitas a única certeza de ser eu. Caí em tempos mas levantei-me e fui até ao mar infindável, a querer atingir o céu. Resgatadas todas as cores de um arco íris em formação, levantei-me e segui caminho por entre a rectidão que me faz ainda ser um não, quando o sim se abstém de caminhar sozinho. Certezas de que a viagem que me aguarda é uma só, e os caminhos são vários em variantes conciliadoras de como reaprender a caminhar sem cair, e aprender a cair sem poder descansar o corpo, por tão pesado ser.


(desenho de António Moura)

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Cansaço ( O céu responde de Alexandra Solnado)

O cansaço é um sinal. Ou estás no caminho errado, ou andas demasiado depressa no caminho certo. O importante é centrares-te. Seja para reorientar o teu caminho ou a velocidade da caminhada, o importante é centrares-te.

*

Parar. Não ter medo de parar. Parar várias vezes, a várias alturas, para respirar. Para respirar e sentir o agora. Quem está no caminho errado, como não sente o caminho, só quer chegar. Quem anda demasiado depressa, como não consegue sentir o caminho devido à velocidade, só quer chegar.

*

Quem está no caminho errado, quando chega, tem a maior das desilusões, porque o destino não vale o mal-estar do caminho percorrido. Pudera, num caminho errado até o destino é errado. Quem anda demasiado depressa, pura e simplesmente não consegue chegar ao destino, porque cai antes.

*

Como vês, seja qual for o teu caso, a caminhada não é satisfatória. E quando a caminhada não é satisfatória, o melhor é parar. Parar. Respirar. Ficar. E cuidar do agora, centrar-se no agora, para que amanhã as pernas tenham mais energia para aproveitar cada passo do caminho que falta.


*

O LIVRO DA LUZ – Pergunte, O Céu Respondede Alexandra Solnado

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Buracos negros



- Se os meus dedos conseguissem respirar, dir-te-iam de uma forma entre muitas, de não se confundirem com as letras sobrepostas deste teclado... Viveriam assim, entre um e outro movimento, e saberiam onde encontrar a verdadeira forma de se cruzarem na atmosfera onde respiram já todas as palavras que faltam escrever. Quero que se sintam livres para poderem voar, humanizando todos os buracos negros. È lá onde descanso os olhos e alimento as feras que neles habitam.

*

- Há movimentos que se parecem com sombras a furar todos os pontos de encontro onde os nossos olhos se escondem, contudo, se me quiseres escrever, eu leio-te através das formas existentes nas meninas do meus olhos. Sabes como saber, se há momentos em que a leitura é única para se perceber onde se escondem todas as letras que formam buracos negros em todas as palavras mórbidas?

*

- Nada sei de buracos negros! No espaço comunicam através de uma magnitude corrente de altos e baixos e parecem-se com a neutralidade que sustenta todas as formas. Será que os nossos olhos são uma forma de sustentar buracos, sem sabermos onde encontrar a verdade de um olhar presente, a caminhar num espaço aberto a novas correntes imaginárias, que só um buraco negro sustenta?

*

- Deixa de fomentar verdades enigmáticas e esconde-te num buraco negro qualquer, a tentar decifrar a verdadeira crueza da vida que se faz presente. Será aí que encontrarás formas e normas, em todos os movimentos que sustentam a única palavra que te faz viver. VIDA e tão só VIDA animal, caracterizando uma forma de viver única em todos os pontos onde a verdade é feita de espaços entre palavras e pontos entre letras. Cair em desuso por falta de dedos e buracos negros, é o mesmo que consentir numa dor alheia e não saber da magnitude de um mesmo dejecto a rolar sobre a terra molhada, desorganizado no espaço por falta de correntes espessas a sustentar-lhe as formas interiores de um mesmo buraco negro.

quinta-feira, 31 de março de 2011

Algures em terra batida

(imgem google)

- À altura da minha cabeça, só mesmo eu, para poder interagir com aquilo que vem do alto. Uma chusma de zumbidos a clarificar os sons e a tentar entrar pelos meus ouvidos. Os meus passos, um à frente e outro atrás e as batidas cardíacas agora mais acentuadas. Olho para cima e ainda falta um bom par de lanços de escadas. O cansaço venceu-me e páro por aqui. Procuro um degrau mais limpo para me sentar. Afago-o com as palmas das mãos, e o pó, é agora uma mancha escura nas pontas dos meus dedos.


- Já te tinha visto em situações idênticas, quando vais às terras altas. Aquela calçada dá cabo de ti. Não entendi ainda porque lhe substituíram as pedras originais, pois se eram aquelas formas polidas de xisto que lhe davam a graça, fazendo com que a subida fosse mais pousada, quando apoiados os pés, naquelas formas que por norma se fechavam em torno dos nossos pés. Cada pedra com a sua cor específica, fazia-me sempre voltar atrás e sentir que a cada pegada um bom par de braços a depositou ali. Agora são só pedras mal formadas e toscas, todas da mesma cor, como se pudéssemos todos ter a mesma força de braços e as mesmas formas nos pés.


- Enquanto isso, dou agora passos mais certeiros, olhado o amontoado de cascalho que não dá sinais de vida debaixo dos meus pés. Ouço-lhe o som rasgado de um choro preso nos calabouços de uma qualquer pedraria, onde o granito é tosco. No entanto, a terra sabe-o bem nas suas mais extravagantes luxúrias, sempre que se dá a ele, e ele se dá a ela. Já nem sei se os meus pés têm a mesma firmeza como quando subiam os montes, para lá se equiparem de mais uma força necessária às últimas pegadas que darei em outro chão.


- Algures em terra batida, há pegadas que se debatem para formarem círculos uniformizando a força de um bom par de braços. Já reparaste que os braços nus, deixam a nu, toda a elasticidade do corpo? As pernas serão sempre uma forma de conjugar os movimentos, de modo a que os braços sejam a força das pernas e as pernas sejam a continuação da força dos braços. Uma forma única do corpo se movimentar e não se deixar cair de bruços, sobre as pegadas que jazem mortas no chão. A terra acolherá sempre uma força de muitos braços a cair-lhe em cima, mas, se porventura as formas caírem, então a terra será a morada certa para que a vida seja sempre vida, e a morte sempre morte a caminhar para lugar incerto.

quarta-feira, 30 de março de 2011

Apresentação da Autora do livro "As Escuras Encontro-te"

(Foto de Bom Norte)

Apresentação por Sao Gonçalves no lançamento do livro - Às Escuras Encontro-te

*

Estar aqui hoje sentada a esta mesa é para mim uma honra e ao mesmo tempo uma grande responsabilidade. Porquê eu, perguntei-me vezes sem conta, e como a resposta é sempre mesma é que nada acontece por acaso e se tiver que acontecer .....assim como a vida também me fez cruzar o caminho da escritora Dolores Marques, tinha que ter acontecido...estar aqui hoje. Dolores Marques é uma poetiza que se cruzou no meu caminho numa altura de mudança, numa altura em que tentava edificar novas estruturas, novos sentidos para a vida e porque de mudança e de crescimento falam os seus poemas, não foi difícil impregnar-me das suas palavras e vestir-me delas de alguma maneira, seguir-lhes as coordenadas. Dolores Marques na sua capacidade única de escrever o mundo espiritual cativa um grande numero de leitores abertos e predispostos a um novo olhar sobre a alma, sobre a espiritualidade e sobre os enigmas da condição humana, enquanto seres mutantes num mundo em evolução e caminhantes na direcção de uma nova luz.

*

Quem é então esta Dolores Marques que se apresenta aqui hoje com este novo livro?

*

Quem é a mulher por detrás das palavras e dos seus personagens, na sua caminhada enquanto mulher e escritora vista através do olhar que pousei indiscretamente na sua escrita.? Dolores Marques nascida na aldeia de Moção "terras altas "Castro D' Aire, nas margens do rio Paiva..como se a sua força interior já estivesse inscrita desde o berço , e o genes se alimentasse da força que emana do ventre das Serras, e das aguas de um rio que se estende por vezes calmo ,noutras ,bravio na procura das entranhas de um mar que o espera e o acolhe…Como se a rudeza e a simplicidade das suas gentes, moldasse a mulher que viria a ser escritora. Os elementos da Natureza presentes no crescimento da mulher e presentes na sua escrita, raízes que a ligam á terra e que se estendem na caminhada que a levam à contemplação de um mundo para lá do visível e terreno. São estas as raízes que moldam a mulher, os ritos e os rituais das gentes do campo, a sua sabedoria infinita dos mistérios da natureza, fundadores de uma extrutura complexa que se instala no Ser e na Alma. São os laços familiares que se cruzam e deixam como herança as memórias dos livros oferecidos na tenra infância, e cuja leituras vão marcar para sempre o percurso da mulher escritora. É nesta ligação à terra e ás suas gentes, que Dolores Marques cria o blog “Moção Uma Aldeia Esquecida”, para aqui também dar vida ao mundo da sua infância, à sua aldeia e divulgar a riqueza etnográfica e cultural da região interior do litoral do pais. Contudo, é a grande cidade com o rio Tejo a seus pés, que vê nascer a mulher escritora numa metamorfose em que a mulher lutadora se mostra ao mundo atravez das palavras que retratam a dicotomias do Ser e do estar, em que os sentimentos, e emoções, as sombras e as luzes o conhecido e o desconhecido, o corpo e a alma nos são apresentados á luz de um novo olhar.... E “Um novo olhar” é o nome do blog onde a autora mostra ao mundo a sua riqueza literária e artística, aproveitando as novas ferramentas que a blogosfera nos apresenta, para se dar a conhecer ao mundo.... É através da escrita que Dolores Marques chega até nós e nos mostra o seu lado mais contemplativo, mais feminino e questionador do seu mundo interior e visionario deste e de outros mundos, de outras eras, anteriores ou vindouras, mas que marcam e caracterizam um espirito aberto e em constante evolução.

*

Dolores Marques escreve em vários estilos e com vários pseudónimos

*

E é ai que contemplo as palavras da poetisa Dolores Marques, poemas que oscilam e se passeiam pelo mundo terreno e pelo mundo espiritual havendo nelas encontros quase subtis, que se tocam na sua perspectiva de encarar o mundo e de o compreender, e é neste registo que edita o seu primeiro livro de poesia em 2008.”Olhares. e em 2009 Subtilezas da alma” Ou na escrita de Matilde D' Ônix, uma escrita mais madura na sua capacidade de escrever esse mundo espiritual, onde a mulher de todos os dias, quase se extingue para dar luz ao Ser imaterial e uno que nela habita, criando textos que tem tanto de belo, como de profundo... E poderia também falar de Dakini...uma escrita mais virada para a descrição do sensual e do erotismo sem no entanto ferir, mas revelando e desvendando a marca da sexualidade emanente em cada um de nós.... E por último, as duas protagonistas, Epifania e Ainafipe, autoras de textos que nos levam a uma análise do que é mais racional e espiritual em cada um de nós, como num jogo de espelhos em que um e outro se escondem e aparecem , para no fim se formar a unicidade do Ser, no que há de mais simples e complexo, na sua capacidade de ser ao mesmo tempo, razão e espírito, na busca de um entendimento das duas partes, para que a compreensão das realidades se unifique numa só verdade.

Dolores Marques É uma escritora multi facetada que escreve de uma maneira magistral sobre todos os aspectos da vida e do crescimento interior. Nas suas mãos as palavras moldam-se de uma forma subtil aos mundos que ela quer descobrir e desmistificar. É a poetiza da alma, do mundo interior, da busca pelo conhecimento de si própria e do que a rodeia, das motivações espirituais, do conhecimento do que há de mais profundo na vida da humanidade. Há na sua escrita uma coragem de ir sempre mais além, na sua capacidade de atingir o inatingível, de se conhecer no mundo como Ser espiritual onde o corpo vagueia à mercê das incostancias e das variações do tempo que passa, e de um espírito novo que revigora na luz que que vem de outras vivências , mas e sobretudo, na luz que vem de um plano superior a este pequeno mundo onde nos encontramo


São Gonçalves


*


(Trecho do livro que resume e enriquece o que acabei agora de dizer)


*


“Gosto de me sentir cobrada pela terra que irá nascer e de me sentar á espera que as vozes se escoem sem nada a acrescentar. Só um eco difuso, me fará continuar sempre na divisão do mundo em pedaços. Sou a loucura antagónica que sobrevive às intempéries do pensamento, e este é um sonho que sobrevive à passagem da aurora.


- Deixai-me ser mais do que este sonho que se ergue no templo. - Vestirei as indumentárias gastas e apodrecidas nos calabouços de outro sonho.


- Tocarei as hastes engalanadas do saber, que se reproduzem em sementeiras que germinam nas entranhas putrificadas e ausentes na forma.


- Abafarei as torres que alimentam o abismo imergente nos mares e continuarei a defendê-lo, ofertando-me. O meu corpo será uma égide contra a solidão dos povos e das inconsequentes variações do tempo.”

segunda-feira, 7 de março de 2011

Máquinas do Futuro

(foto D.M.)

rostos sem cor
mendigos com dor
mãos digitalizadas
nas nuances muradas
de uma arte no escuro
prostrada à janela
rasgando o cimento
de um muro caído
esburacado
e relembrado
por todos os sem tecto
sem mundo e sem nada

areias movediças
aços enferrujados
mas já soldados
para um novo espaço
desintegrado
e abafado
pelas novas máquinas
do futuro

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Às Escuras Encontro-te - O Livro


Nota de Autor:

Esta é a minha comunicação ao leitor, passando pelo crivo que me traz sempre uma nova forma de pensar, sujeitando-me às ideias impostas pelo meu subconsciente, consciencializando-me a mim e a vós, de que há muito para sentir, há muito para ver, há muito mais ainda para esclarecer, num mundo de imagens que nos são direccionadas de fora para dentro, passando para o exterior através de outras mais límpidas e transparentes. Mas será que esse interior de cada um de nós, servirá de ponte para que os elos sejam dourados na magnificência das cores, dos movimentos, das semelhanças, caracterizando um “modus vivendus” actualizado? Previno-vos que este livro se adequa apenas ao leitor pronto e de espírito liberto. E questiono-me se esta será a melhor literatura que haverá no momento. Pois…
Não se trata de romance, não se trata de ficção, nem tão pouco de narrativa, mas será sim uma autêntica ficção dentro de um mundo que se nos apresenta fictício, descrevendo os contornos de uma história que poderia ser verdadeira, que poderia transformar este livro, numa autobiografia. De biográfico tem pouco. É somente um momento nos diferentes compostos químicos, auto-merecedores de atenção, bio-compostos por fragrâncias libertas para a atmosfera. Ele, transporta-nos para esse mundo do qual tentamos sempre fugir, a não ser que tenhamos a capacidade de podermos assumir-nos nas nossas mais eloquentes formas, umas vezes bizarras, outras inseridos numa compilação vs normalização dos gestos diários.
No capítulo II, escrevi:
Este é mais um degrau na subida vertiginosa que se apresenta em várias partes do meu corpo. Uma visita guiada pelas minhas experiências enquanto necessidades básicas do meu corpo, da minha mente e do meu espírito. Este é um mundo onde me poderão encontrar, encontrando-se, basta que para isso, saibam viajar comigo através das nossas semelhanças e aí, seremos um só, numa caminhada silenciosa por entre uma multidão. Pensei nas ferramentas adquiridas, e que talvez tenham uma quota parte de responsabilidade por estas experiências de cariz transcendental. Tudo aconteceu ao mesmo tempo. Abriram-se canais, sujeitei-me a Ti, numa viagem até aos confins do Universo, e dei comigo a escrever sobre isso, começando por descrever a primeira viagem, passando pela minha visão do reiki, corpo espelho, meditação, chikung…etc. Dêem-me a honra da vossa presença e garanto que há sítios escondidos debaixo das minhas palavras que não conhecem:
Se quiserem então viajar num espaço inédito, sujeito às várias circunstâncias que este livro nos apresenta, terão que abrir as portas e, assim sendo, colocar-vos-ei perante uma só palavra - AMOR.
É este o mote do livro. Amor em todas as vertentes socializadas vs sociabilizadas, por força maior de uma mente que se fechou ao mundo externo durante duas semanas e viveu e plenitude dos mundos extra-sensoriais e de tudo o que a vossa imaginação puder alcançar.
A saber pelos capítulos:
Capitulo I- Versando o Amor: Um amor meu, aquele amor que sabemos que existe mas que nunca sentimos a entrar-nos pela porta da frente. Um sentir silencioso, quente, que nos diz de outras realidades extra-sensoriais. “Há um prenúncio de qualquer coisa mesmo antes de o ser… Esmiúço os sentidos até descobrir o que me leva por estes meandros da vida já gasta…”
Capítulo II - Energias subtis, outra forma de amor: Um encontro com outras realidades que versam o amor em termos práticos, mas ao mesmo tempo sob a forma de energia em movimentos subtis. Uma forma de estar e viver segundo conceitos básicos de como se ser Pessoa no meio de tantas as que conhecemos, e que sem saberem como por vezes actuar para serem pessoas, o vão sendo. Foram também estas práticas que me levaram ao encontro do encontro amoroso de que falo neste livro, e que vivendo em mim em forma de Amor, é uma forma de estar que me dá prazer. Aqui, irão ter contacto com algumas informações básicas do conhecimento geral sobre reiki, sistema de corpo espelho, meditação, chikung…etc.
Capítulo III – Cá e Lá - A Ponte: Após o capítulo anterior, chegou então o momento de vos fazer chegar as minhas experiências pessoais a um nível subtil e transcendendo o da realidade física, indo ao encontro do amor que me visita nas noites em que me abro a ELE. Forças do além, amor feito energia residindo em mim ? Seja o que for, e os nomes que lhe queiram dar, foi sentido no meu corpo de uma forma intensa. “Penso-Te e estás presente no momento, numa sintonia perfeita”
Capítulo IV – Vale do Silêncio: Encontros numa realidade que é a nossa, aqui nesta terra que nos viu nascer, onde os corpos se tocam e os olhares se cruzam para um amor prestes a acontecer. Mas algo impede esta ligação que nos poderia levar à prática de “um sexo sedutor”, após os toques e carícias de almas solitárias. Sou apenas acolhida por um vale do silêncio que se alonga a cada dia passado. “O seu brilho ténue, conduz-me para o meu silêncio e enrosco-me no seu círculo mágico”.
Capítulo V – Outros Sons: O último capítulo do livro, encerrando-o por ter finalmente encontrado o mesmo tipo de energia que me lo fez escrever. No entanto, os sons tornam-se deveras evidentes que são só audíveis para mim. Existe talvez uma força que desconheço e que está em redor de mim, para me lembrar que o conhecimento da verdade não está ainda na mesma proporção com o que espero da vida. O AMOR, encontra-se num caminho único onde se encontra tudo o resto. Este encontro final teve como ponto de partida, um ponto a tocar o infinito, estendendo-se esta trama de um nível “mais terreno”, terminando com um poema “Quero que sintas que por ti eu sou”.
Espero sinceramente que este livro vos diga algo e faça algum sentido a todos de vós.

Dolores Marques



*************************

Apresentação dia 26 de Março de 2011, pelas 18h30, Campo Grande, 56, Lisboa

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Amor Incondicional. Dito por Emídio Carvalho

Amor Incondicional dito por Emídio Carvalho

Começa por fazer duas respirações profundas, sem qualquer objectivo para além de que sabe bem respirar fundo... E agora recorda-te de um momento da tua infância especialmente delicioso. Quando tinhas não mais que 3 ou 4 anos de idade. Um momento em que sentiste que a vida era um gozo. Em que desfrutavas completamente de ti mesmo....

Talvez um momento em que brincavas com a tua boneca favorita, ou construías um carro lego... ou talvez um momento em que te divertias a cantar ou a dançar para ti... ou em que ajudavas a tua mãe ou pai a limpar a casa... Um momento em que nada era importante a não ser o prazer de desfrutar daquilo que estavas a fazer....

O que sentiste nessa altura foi amor incondicional por quem tu eras e pela vida tal como se apresentava. Um amor por tudo tal como estava a acontecer. Amor puro.

E talvez os adultos à tua volta te tenham aplaudido. Talvez tenham dito a menina bonita que eras ou menino bem comportado que eras. Talvez tenham sorrido e manifestado um gesto de carinho especial. Por tu te amares tanto que desfrutavas da vida a 100%.

Só que no preciso momento em que outros aplaudiram a tua experiência de amor-próprio, puro e incondicional, o teu ego aprendeu algo de pérfido: os outros amam-me.
Este foi o primeiro erro. Acreditar que o amor vinha dos outros, quando em realidade o amor estava já em ti e era sentido por ti.

O teu ego passou a acreditar que o que tu fazias era responsável pela quantidade de amor presente na tua vida. E que o amor vinha dos outros. A primeira e mais brutal mentira que o ego te poderia contar.

Aquele aplauso inicial fez-te acreditar que era importante ser amado por outros. Era importante ser amado para ter o sentimento que existia já dentro de ti. E que nunca te abandonou.

O que os adultos que te aplaudiram disseram foi isto: “o que tu fazes deixa-me feliz. E quando estou feliz pelo que tu fazes, eu amo-te.”
E transferimos assim a capacidade de sermos felizes para os outros, para aqueles que nos rodeiam.

O que o ego pensa é simples: se eu fizer aquilo que os outros gostam, então irei ter a sua aprovação e, por conseguinte, os outros irão amar-me. E irei ter novamente a experiência de amor puro e incondicional.

E nem por um só momento a criança é capaz de ver que o amor não vem dos outros, este amor que está já em si, a expressar-se através de uma brincadeira inocente.

E a criança irá tentar voltar a ter a mesma experiência. Irá fazer a mesma coisa que provocou a aprovação dos adultos à sua volta. Só que com cada repetição os adultos à sua volta vão perdendo o interesse na criança. Torna-se mais e mais difícil conseguir a mesma experiência de amor dos adultos.

E esta criança, que és tu, irá começar a fazer o mesmo jogo dos adultos. Este jogo que diz, se me amas farás assim... se me amas ficarás no teu cantinho... se me amas, brincarás comigo... se me amas, cantas para mim e fazes-me feliz... se me amas então terás que ser agradável, sorridente, bem-comportado e estar atento ás minhas necessidades.
E esta criança vai brincar com o seu melhor amigo. E na sua mente irão jogar à bola, ou brincar com as bonecas. Mas o melhor amigo prefere ver televisão, ou saltar à corda. E esta criança fica magoada. O pensamento na sua cabeça é este: “se fosses mesmo meu amigo, farias o que eu quero fazer.” E não sabe que o seu melhor amigo está a acreditar neste mesmíssimo pensamento.

E é assim que aprendemos a desrespeitar-nos. Aprendemos que para termos amigos temos que fazer o que eles querem, e eles têm que fazer o que nós queremos. E negamos uma parte de quem somos.

E tudo isto porque queremos voltar a ter aquela experiência inicial de amor puro e incondicional. E que esteve sempre dentro de nós, nunca fora!

Quando mais tarde nos apaixonamos iremos fazer tudo o que é possível para agradar à outra pessoa. E esperamos que ela faça o mesmo em relação a nós! Queremos que a outra pessoa também finja ser quem não é para nos agradar.

Por exemplo, o Manuel apaixona-se pela Maria. E sabe que ela gosta de passear nos centros comerciais. Para ter o amor da Maria, o Manuel irá dedicar-se durante algum tempo a passear de mão dada nos centros comerciais. A Maria, por outro lado, sabe que o Manuel gosta de se sentar em esplanadas a beber uma cerveja. E assim, a Maria irá fingir que gosta de se sentar numa esplanada, para conseguir o amor do Manuel.

O António irá fingir que gosta de dar beijos enquanto a Francisca finge que gosta de ser apalpada pelo homem da sua vida. A Fátima irá fingir que gosta de estar horas a ver televisão, enquanto o Pedro irá fingir que gosta de comida indiana. O João irá fingir que gosta de ir à discoteca, enquanto a Susana finge que gosta de cozinhar para os amigos do João.

É muito fácil acreditar nas falsas necessidades do nosso ego quando acreditamos que amamos outro. Seja um filho, um colega de trabalho ou o cônjuge. O que o ego acredita é qualquer coisa como isto: “Eu preciso de ver onde tu estás. Eu preciso que me digas o que estás a pensar. Eu preciso que me digas a verdade (a minha verdade, claro). Eu preciso que nunca me abandones. Que confies plenamente em mim. Que acredites em tudo o que eu digo. Que nunca te atrases. Que cumpras as tuas promessas. Que sorrias continuamente. Que me dês a mão quando passeamos. Que me ouças atentamente. Que estejas disponível para mim. Que me ajudes. Que vivas comigo para sempre. Que me dês tudo o que eu preciso de ti. Que me apoies e me dês segurança. Que concordes sempre comigo. Que vejas sempre que estás errado. Que saibas quando quero estar só. Que saibas o que eu quero de ti sem que eu tenha que te dizer. Que sejas mais afectuoso. Que sejas mais sensível. Que sejas menos sensível. Que deixes de ser amigo das pessoas de quem eu não gosto. Que sejas mais simpático para com os meus amigos. Que gostes da mesma música que eu. Que me ames sem questionar esse amor.”

E assim acreditas que os outros devem obedecer a todos os teus desejos. Isto pode parecer-te cruel, ao ouvi-lo agora. Mas olha para a tua vida e observa-te. Observa se não é assim que tens vivido. E é assim que consegues manter a ilusão da separação e aumentas o sentimento de impotência, frustração, depressão e raiva.

Mas há uma forma directa para conseguires tudo aquilo que desejas dos outros.
Em primeiro lugar, aprende a ser íntegro. Se para ti é importante que a pessoa amada se lembre dos teus anos, diz-lhe. “Querida, é importante que tu te recordes do meu aniversário. Por favor anota a data na tua agenda.” Estarás a ser honesto contigo.
Mas há mais que podes fazer. Por favor, de início, quando começares a aplicar o que te vou ensinar agora, sê carinhoso para contigo. Dá a ti mesmo o afecto e compreensão que pensas precisar dos outros.

Uma vez dei por mim a viver na rua, em Londres. Fui sem-abrigo durante uns dias. E durante esse tempo sofri a pensar como precisava de ter uma casa, e precisava de tomar banho, e precisava de me alimentar. E sofria. Um dia acordei, debaixo de um viaduto e só conseguia rir. Ria-me pelos pensamentos que iam na minha cabeça. Como podia pensar que devia estar a viver numa casa quando era na rua que vivia? Era óbvio que devia viver na rua, porque era aí que vivia. A realidade é sempre muito carinhosa. Mostra-nos sempre onde devemos estar. Eu devia estar a viver na rua, pelo simples facto de que era aí que estava a viver.

E na tua vida é precisamente a mesma coisa. Tu precisas exactamente daquilo que tens neste momento. Se neste momento estás numa relação caótica, é de uma relação caótica que precisas. Se estás a viver só, é de viver só que precisas. Se não tens dinheiro, é porque precisas de viver sem dinheiro. Se estás desempregado, é porque precisas de estar desempregado. Como sei que isto é verdade? É a realidade. E a realidade ganha sempre. Por mais que tentes manipular as pessoas que amas, a realidade irá dar-te sempre os relacionamentos que precisas. E cada relacionamento acontece para o teu bem, independentemente de gostares ou não da experiência.

Então já sabes, tu precisas daquilo que já tens. Como é que sabes que não precisas de te levantar? Estás deitado. Como é que sabes que precisas de estar sentado? Estás sentado. Imagina deitar-te e pensar que precisas de estar a andar. Uma loucura. Acreditas que precisas de tomar uma decisão. Não precisas, até que a decisão seja tomada.

O caminho mais directo para a felicidade é este, tu precisas apenas daquilo que está à tua frente. E o que está à tua frente irá sempre crescer. O que está à tua frente é sempre aquilo que é. À tua frente está amor disfarçado de mil e uma maneiras.

Os pensamentos na nossa cabeça são qualquer coisa como isto: eu preciso do amor do outro, e estou disposto a sacrificar um pouco de mim para ter esse amor. E espero que aquele que me ama esteja também disposto a fazer alguns sacrifícios para me amar. E ainda: eu preciso do apoio e segurança do outro, e estou disposto a fazer de conta que gosto do mesmo que ele gosta para ter esse apoio e segurança.

E temos o reverso da medalha também. Esperamos que a outra pessoa faça o mesmo. Esperamos que a outra pessoa também finja gostar do que nós gostamos. Acreditamos que o amor na nossa vida vem de fora. São os outros a fonte do nosso amor. E começamos a criar o nosso inferno pessoal.

É assim que usamos os outros como uma droga. Tornamo-nos ditadores. Para eu estar bem preciso que os meus filhos não chorem. Para eu estar bem preciso que os meus colegas me respeitem. Para eu estar bem preciso que o meu cônjuge aprove os meus gostos. Para eu estar bem preciso que os outros sejam quem eu quero que sejam.
E nas nossas cabeças passam a circular todas as regras e padrões que os outros deveriam respeitar, para estarmos bem. E tentamos também seguir as regras e padrões daqueles que são vitimas do nosso amor.

Só que estas regras nunca foram escritas nem faladas. Nunca foram discutidas. Só sabemos que existem quando as rompemos. E quando rompemos uma regra e não sabemos que era uma regra, não nos atrevemos a perguntar o que foi que fizemos de errado, porque há ainda outra regra escondida nos relacionamentos: tu devias saber o que fizeste de errado para me deixar triste, ou enraivecido, ou magoado, ou ansioso, ou, ou, ou...

Já alguma vez assististe a uma discussão entre dois adultos que aparentemente se amam?... Observa. Observa quando discutes com aqueles que amas. Acreditas mesmo que amas essa pessoa com quem estás a discutir? Como é possível abusar, física ou verbalmente de alguém que amamos? A verdade é que o nosso amor é condicionado, adulterado.
Claro que não amamos. Porque o amor ama tudo aquilo que é. Tudo é amor. E quando discutimos estamos em realidade a dizer à outra pessoa, seja o cônjuge ou um filho ou amigo, “O meu amor tem um preço, e se não estás preparado para pagar esse preço, estas são as consequências.” E cobramos.

E tudo porque queremos repetir a experiência do amor incondicional que sentimos dentro de nós, e que nós mesmos criámos, quando ainda crianças.
Enquanto precisares dos outros para te sentir bem, nunca serás capaz de experienciar o amor incondicional. Simplesmente não é possível. O que fazes é manipular os outros para que gostem de ti, da mesma forma que te manipulas a ti mesmo para gostares dos outros. É assim que te afastas do amor verdadeiro.

Uma forma de começar a amar-te é estar atento ao que queres dos outros. E só queres uma coisa: sentir-te bem contigo. Seria mais fácil se te respeitasses e não fingisses ser quem não és. Seria mais fácil amar-te se não precisasses de um intermediário.

Se o teu filho chora, em vez de tentar mil e uma manobras para que se cale, não seria mais fácil assumir o que pretendes dele? “Filho, eu preferia que não chorasses para eu me sentir bem”. Esta é a verdade. Poderias sentir-te bem independentemente do teu filho chorar ou não? Independentemente do teu filho se portar bem ou não (e quando um filho se porta mal lembra-te que o mau comportamento é julgado segundo os teus padrões de certo e errado).
E se o teu marido se esquece do teu aniversário, em vez de amuar e esperar que ele adivinhe porque estás amuada, poderias simplesmente dizer-lhe que estás amuada porque para ti é importante que um marido se lembre sempre do teu aniversário?... E que para te sentires bem precisas que o marido se lembre do teu aniversário? Isto é ser-se íntegro.
E quando um colega fala mal de ti no trabalho, em vez de fazeres o mesmo e contar aos teus amigos como esse colega é venenoso, poderias falar com o colega e dizer-lhe a verdade? E a verdade é que adorarias controlar o que os outros dizem de ti e não te sentes bem quando não o consegues fazer. E para te sentires bem precisas que toda a gente fale bem de ti. Seria muito mais honesto.

E quando a tua filha adolescente te pede para sair à noite, em vez de te preocupar e dizer que não a deixas sair porque é muito jovem, ou não tem experiência, ou é perigoso, poderias ser honesto e dizer-lhe que não queres que ela saia à noite porque tu precisas de te sentir bem contigo e se lhe acontecer alguma coisa irás sentir-te culpado? Seria muito mais amoroso.
Sempre que dizes ou fazes algo para agradar aos outros, ou para conseguir algo dos outros, ou para influenciar os outros, estás a agir a partir do medo. Medo que não te amem, que não aprovem quem tu és, que não te reconheçam. E o resultado do que dizes ou fazes será sempre a dor. Estarás a manipular os outros e assim manter a ilusão da separação. Acreditas que o amor puro vem de fora. E precisas de ser amado. Um inferno.
No momento em que tentas adquirir o amor de outro perdes completamente a experiência do amor. Não consegues ver o amor que está já em ti. Sempre que ages a partir do medo não conseguirás ter a experiência do amor. Estarás preso a pensamentos que te dizem o que tens que fazer para ser amado. E qualquer pensamento originado a partir do medo impede-te de ter a experiência do outro.

Sempre que tentas o reconhecimento ou a aprovação dos outros tornas-te na criança que grita “Olhem para mim! Gostem de mim!” Tornas-te necessitado. Necessitado do amor dos outros. E se os outros não gostarem de ti?... Sofres. E perdes a experiência do amor que existe dentro de ti. Outras vezes acreditas que és livre e não precisas da aprovação dos outros, e explicas-te dizendo que não te importas que os outros não gostem do teu carácter. Mas importas-te, e muito. Por que outro motivo te esforças tanto para ter razão?...

Ensinaram-te que quando se ama outro, e esse outro está em sofrimento, deves sentir compaixão. E a compaixão é sentir a dor do outro. Mais uma mentira.

Nunca poderás sentir a dor do outro. Apenas podes recordar-te de um momento do teu passado em que sofreste e projectar esse sofrimento sobre o outro. E assim, a pessoa que sofre passa a sofrer duas vezes mais. Sofre a sua dor e a dor que tu estás a projectar sobre ela. Um inferno. Em realidade a compaixão nada mais é que amar tudo tal como é, sem querer impor a nossa vontade. Quando te amo verdadeiramente não imponho condições. Não penso que seria melhor se não estivesses doente. Como posse dizer isso quando estás doente? Não te consigo ver na totalidade. Na minha mente estou a imaginar alguém que não existe: tu sem uma doença. E não sou capaz de te ver nem de te ouvir.

Amar significa que é perfeitamente ok tu estares mal. E se quando tu estás mal eu conseguir estar em paz, é paz o que irei projectar sobre ti. Só assim consegues sentir alivio pela tua dor quando estás comigo.

Uma vez visitei uma amiga que me telefonara meia hora antes a dizer que estava a morrer. Já quase não conseguia respirar, não tinha forças. E acreditava que tinha um cancro nos pulmões. Fui visitá-la feliz por ter a oportunidade de lhe dizer adeus. E feliz por poder participar em algo tão maravilhoso como ver alguém que deixa um corpo físico e está consciente de todo o processo. Estava radiante. A alegria estática de dar a mão a alguém que parte fisicamente. Levava comigo compaixão. E isto significava apenas uma coisa: é ok morreres. A morte é o inevitável da vida. Não fingi nunca. Estava feliz e em paz. E quando cheguei a casa desta amiga ela estava em pé, abraçou-me com força, falava alto e respirava profundamente. Talvez eu tivesse projectado sobre ela a serenidade e alegria do momento e ela só podia experienciar aquilo que eu projectava. Não sei. O que sei é que o Universo a tinha escolhido a ela para ter a experiência de não conseguir respirar, e tinha-me escolhido a mim para observar a sua experiência. Delicioso.

Se soubermos que cada momento é precioso e único e perfeito, não nos é possível ter outra experiência para além do amor incondicional. Para sofrermos temos que nos tornar ditadores. Decidir como os outros devem ser. Temos que acreditar que o amor é algo exterior a nós. E nunca é.

Outra forma muito utilizada para adulterar o amor é a cobrança de um favor. Ajudamos alguém e, aparentemente, fazêmo-lo de uma maneira altruísta, sem esperar nada em troca. Ou pelo menos é o que dizemos ao nosso amigo. E um dia depois descobrimos que esta pessoa que ajudámos altruisticamente anda a falar mal de nós nas nossas costas. E revoltamo-nos. E imitamos o amigo, ao falar mal dele por falar mal de nós. Anedótico. E em realidade estamos a cobrar a ajuda do dia anterior. O que pensamos é qualquer coisa como isto: “Ajudei-te e o preço da minha ajuda é tu falares bem de mim.”

Quando escolheres ajudar alguém fá-lo sem segundas intenções. Não queiras mais tarde cobrar. Irás sofrer. Garantido. Ajuda pelo prazer de ajudar. Pelo privilégio de a Vida te ter escolhido a ti para ajudar alguém que precisava de ajuda. E depois esquece. Assim consegues estar no momento presente. Nunca cobres o que quer que seja que faças por outro ser humano.

Experimenta pelo menos uma vez por dia ajudar alguém que não possa retribuir a tua ajuda. Pode ser um sorriso a alguém na rua. Pode ser um telefonema a um familiar. Uma oferta a uma instituição. E para ser uma ajuda verdadeira, pura e incondicional, nunca digas a ninguém o que fizeste. Já passou. O momento de ajudar passou, como tudo passa na vida. Lembra-te apenas disto: tu recebes no preciso momento em que dás.
Só ficamos magoados com os outros por um único motivo: acreditamos que precisamos do amor do outro. E quando o outro não demonstra o seu amor por nós, da maneira específica que nós idealizámos, iremos sofrer. Acreditamos que somos o centro do universo. Vêm à mente ideias loucas como “se me amasses não farias isso” ou “se gostasses de mim então dirias isto”...

E é aqui que reside uma grande anedota cósmica da vida: queremos os outros felizes e em paz com a vida antes de estarmos nós felizes e em paz com a vida. Sabias que para haver uma guerra são precisas pelo menos duas pessoas, e ambas querem ter razão?... E sabias que para haver paz basta apenas uma pessoa, que não precisa de ter razão?... É a pessoa que ama incondicionalmente, sem querer que tu mudes ou sejas diferente de quem és.
Pondera um pouco sobre isto: na tua vida não há nada, neste momento, que não seja amor incondicional da vida para contigo.

E se estás neste momento com um problema grave de saúde, poderias dedicar algum tempo a descobrir todas as bênçãos presentes no teu estado de saúde?... E se não tens dinheiro, poderias dedicar algum tempo a descobrir as bênçãos presentes na tua situação?.. E se alguém que pensavas amar se afastou da tua vida, podes ainda ponderar a possibilidade dessa separação ser para o teu melhor bem?... Porque é sempre.

Nós recorremos à nossa beleza, à nossa inteligência, afecto e humor para capturar outra pessoa com quem partilhar a vida, como se a outra pessoa fosse um animal. E quando este animal tenta sair da jaula que nós criámos, tornamo-nos violentos, ou ressentidos, ou deprimidos. Perdemos o animal capturado que julgávamos possuir. Isto pode ser muitas coisas, mas amor não é. E depois ainda temos a coragem de dizer que a outra pessoa nos magoou. Não é amor-próprio. Eu quero que tu queiras o que tu queres. Seja como for, é isso que tu queres, independentemente de eu gostar ou não das tuas escolhas. O amor incondicional é mesmo isto: desejar que os outros sejam quem são, e não quem nós queremos que sejam. Eu escolho amar-te a ti, e o meu amor por ti é tão puro e incondicional que ficarei feliz se tu escolheres amar outra pessoa que não eu. Quem tu amas é um assunto que só a ti te diz respeito, da mesma maneira que quem eu amo é um assunto que só a mim me diz respeito.

Eu quero para ti o que tu queres para ti. E se eu quiser para ti algo que tu não queres irei criar uma guerra com a realidade. E a realidade tem uma maneira mágica de vencer sempre.
Lembra-te continuamente que o teu ego não quer amar, quer coisas. O ego quer que os outros o compreendam, que os outros gostem dele, que os outros façam as coisas à sua maneira, que os outros sejam, no fundo, quem não são.

Os sentimentos de mágoa que possas sentir não podem nunca ser causados pelos outros, não é possível. Ninguém me pode magoar, simplesmente não é possível. Apenas eu posso magoar-me. Sou eu que me magoou ao acreditar em pensamentos que são mentira. Quando acredito que os outros deveriam ser diferentes de quem são. Se alguém faz afirmações pejorativas sobre mim sou eu quem decide levar a peito o que é dito. Sou eu quem decide acreditar no que é dito sobre mim.

Acredito que a pessoa com quem tenho uma relação, seja o cônjuge, o filho ou o colega de trabalho, deveria respeitar-me. Mas se eu faço sacrifícios para que o outro goste de mim, quem é que não se está a respeitar? Quem é que se está a faltar ao respeito?
A única relação íntima que alguma vez terás será sempre contigo mesmo. O único casamento possível é contigo mesmo. Os outros são os bónus que damos a nós mesmos. Esperas que a outra pessoa te ame incondicionalmente, mas és capaz de amar-te a ti incondicionalmente? E se te amares incondicionalmente então serás capaz de amar a outra pessoa, mesmo que ela se afaste. E se esperas que o outro te compreenda, poderias começar tu a compreender-te e saber que ninguém tem que te compreender? E se esperas que o outro seja simpático para contigo, poderias tu começar a ser mais simpático contigo mesmo e amar o outro quando não sabe ser simpático?

A única relação que podes ter é contigo mesmo. O que tu pensas dos outros é de ti que se trata. A pessoa com quem tens uma relação íntima neste momento é o teu melhor mestre. Irá sempre mostrar-te o que tens ainda para aprender sobre ti mesmo. Onde ainda não te amas, onde não te aceitas, onde ainda guardas rancor.

Quando falares de outra pessoa é de ti mesmo que estás a falar. Não há excepções. Os conselhos que dás aos outros são sempre para ti, mas tens que os verbalizar para te poderes ouvir.

Sempre que acreditares que precisas do amor de outra pessoa irás sofrer. A ideia que tu tens do amor é fabricada no ego e raramente os outros correspondem a essa ideia. Para alguém poder mostrar-te continuamente que te ama irá ter que fingir ser quem não é. Onde é que tu andas a fingir ser quem não és?

Há duas crenças doentes que todos partilhamos relacionadas com o amor. Primeiro acreditamos que para ter o amor dos outros temos que os manipular, sendo amáveis, simpáticos, dando-lhes o que pensamos que precisam, sorrindo, cedendo aos seus caprichos. E depois acreditamos que o amor é conseguirmos o que desejamos dos outros. Quando conseguir fazer o outro feliz, quando conseguir um abraço do outro, quando conseguir aliviar a dor do outro. Ou seja, o amor irá encontrar-se sempre num futuro que não existe.
Esperamos que a pessoa que amamos seja íntegra e honesta, mas quando lhe pedimos algo esperamos ouvir um “sim” que pode ser dito para nos agradar e nunca a resposta que a outra pessoa quer dar. Ficamos magoados se a outra pessoa nos responde “não”. Mas se eu amo alguém verdadeiramente, então ficarei feliz com o seu “não”. É a resposta verdadeira dada a partir da integridade da outra pessoa. Eu quero que a pessoa que amo viva a sua integridade, mesmo quando isso significa que essa pessoa não está disponível para me dar o que espero dela. Em realidade eu só espero da outra pessoa o que quer que seja que ela me queira dar. E se não me quiser dar nada, excelente. Não imponho qualquer condição para amar.

Quando dizemos a alguém que não conseguiríamos viver sem essa pessoa, estamos a usar essa pessoa e a responsabilizá-la pela nossa existência. Fazemos isto sobretudo em relação aos filhos. Pensamos “se o meu filho morresse não era capaz de viver”. Ou seja, de repente os filhos são responsáveis pela nossa própria existência. Como podemos depois experienciar um filho se ele é o responsável por estarmos vivos? E para o nosso ego parece uma coisa horrível pensar de maneira contrária. Mas a partir do momento que eu preciso que outros vivam para eu poder viver, estarei a usá-los como uma droga. E irei experienciar os outros a partir do medo de os perder. E onde existe medo não pode existir amor. Simplesmente não é possível.
Isto também acontece ás pessoas que ainda acreditam na história das almas gémeas. Acreditam que há outra pessoa que as completa. Enquanto acreditarmos que só somos completos na presença de outra pessoa não poderemos ter a experiência de amar incondicionalmente essa pessoa. Precisaremos dela para nos completar. A realidade é que só quando nos sentimos completos é que podemos experienciar a outra pessoa na sua totalidade. Sem precisar.

Poderíamos parar este jogo de precisar dos outros para estarmos bem? É que enquanto precisarmos dos outros, iremos sofrer sempre. Mas quando nos amamos completamente iremos colocar-nos num espaço em que o outro é livre para ser quem é. E somos capazes de amar incondicionalmente. Sem precisarmos de fingir sermos quem não somos. Fingir exige muita energia.

Sempre que estiveres na presença de alguém que amas e sentires stress podes ter a certeza de duas coisas: estás a acreditar numa mentira sobre a outra pessoa e, não menos importante, estás a tentar manipular essa pessoa. Neste caso olha a pessoa nos olhos, imagina-te no seu lugar. Sente a pessoa que amas no teu coração. Ela está a fazer o melhor que é capaz nesse momento. Sem impor qualquer condição, poderias simplesmente amá-la?
Sempre que olhares para aqueles que amas e vires falhas descobre de que forma essas falhas são uma oportunidade para amar essa pessoa. Pode ser que a pessoa que amas seja gananciosa, ou antipática, ou fala com a boca cheia, ou fala muito alto... Se não conseguires amar a pessoa por causa daquilo que percepcionas como falhas, eventualmente irás atacá-la. Com raiva. Ou então tornas-te frustrado e entras em depressão, impotente para mudar as falhas aparentes da pessoa que amas.

Uma forma simples de começar a amar-te a ti mesmo é deixando de procurar a aprovação dos outros. Quando não precisares que os outros aprovem quem tu és, descobres que não precisas de te defender. E quando não precisas de te defender não é possível estar em guerra com quem quer que seja. Quando te sentes bem contigo, independentemente do que acontece à tua volta, não precisas que os outros te amem. Sentes-te completo. Incondicionalmente completo.

Ao acreditares que os outros deveriam ser diferentes de quem são é o mesmo que acreditar que o céu deveria ser terra, ou que um pássaro deveria ser uma árvore. É desejar que aquilo que é não seja. E ao viver assim impedimo-nos de ter a experiência do amor incondicional.

Sê íntegro contigo mesmo. Diz aqueles que amas o que realmente esperas deles. E à medida que te fores conhecendo irás descobrir que não precisas nada dos outros. O que quer que seja que os outros façam ou digam é o que tu queres que eles façam ou digam.
Diz a ti mesmo sempre que estiveres em frente daqueles que amas: “eu amo-te e tu és livre para amar quem tu quiseres.” E sente o que pensas. É a verdade do amor incondicional. E depois de tudo dito, só posso desejar-te uma aventura deliciosa de amor. Bem-hajas por estares presente para ti.

Publicada por Emídio Carvalho

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

O Homem era um Homem



- Aquilo que vi e ouvi no caminho que me levou hoje por becos escuros, deixa uma forte sensação de vazio, como se o meu corpo fizesse parte daquele acumulado de pedras negras, ainda a luzir debaixo dos reflexos das luzes dos candeeiros. Digo-te que fiquei completamente tolhida nos muros e nada me fazia arrancar dali. Os cães tremiam de frio os homens trocavam migalhas envoltas em farrapos e a manhã chegava, simplesmente chegava calada e fria. Eu fechei os olhos e deixei-me arrastar pelo vento que me furava a carne e me roía os ossos.
- Entendo que há muros frios e que a cidade é um sítio onde as pedras ganham formas, nessas ruas caiadas de negro. As sombras caem, os pilares aguentam todas as pontes sobre o rio, mas esses ambientes cimentados pelas mãos de quem tem fome, e de quem não tem medo do escuro, é de certa forma assustador. Prefiro ficar aguardando que te lembres do branco dos meus olhos. Ando por aqui nesta cor esbatida, mas não esqueço que não chegamos ainda ao ponto onde os nossos corpos se fundem e os nossos olhos assumem a verticalidade de um momento só nosso. Nunca me chegaste a dizer quantos olhos tens na noite. Talvez esta noite te tenha fornecido novos indicadores de como um olhar se transforma quando vê formas a denegrir ainda mais a noite.
- Nunca pensei quantos olhos são precisos para se cruzarem na noite. O que sei é que vi um homem. Uma figura bizarra a cortar o ar da noite, sempre que inspirava e expirava. Da sua boca saiam lufadas de ar, e do seu corpo uma nuvem de fumo miudinho que enchia o beco de sombras de várias cores. Houve até um momento em que me pareceu que a noite se tinha feito dia e que a cidade se tinha encolhido no corpo daquele homem. Mas o homem era um homem e não um figura daquelas que se vêem desenhadas nas paredes de betão ainda em estado de comiseração. Bem, depois vêm os grafitis, quando tudo estiver silencioso e quando o homem deixar de inspirar e expirar.
- Penso que as noites têm muito mais do que um homem a tentar sobreviver. Há mortes tão lentas que nenhum homem vê, nenhum rio colhe, nenhum caminho escolhe. Há escolhas assim por becos frios, onde os olhos se escondem. Da próxima vez, quero ir…Preciso dos teus olhos …(…)
*********************
Escultura de Ricardo Kersting: A cadeira negra- Fibra de vidro - 1992 -
Salão Cidade de Novo Hamburgo - Obra premiada.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Se todos somos um...



Se todos somos um, não adianta fazermos contas, pois o inevitável acontece, sempre que entre um pensamento e outro desobstruimos o canal.

Será assim canalizado todo o nosso sistema energético para nos encontrarmos numa força maior.

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Até quando?


(Imagem google)

Até quando as palavras se encolherão
Com pena
Da maior pena do poeta
Por não se sentir livre para escrever?
Amado poeta
A tornear -me em teu peito
Me refaço na pena
Da maior pena de ti, Poeta

Até quando esta minha insatisfação
Por não saber ser poeta
Na medida exacta do verbo
E deixar amortecer a luz nas ruas vazias
Onde moram todos os poetas?

Até quando esperarei por ti
Poeta das alturas
Para me dares um pouco
Desse mar que vi nos teus olhos
Humanidade casta
E bem aventurada
Mas que por ter linhas tortas
Para escrever
É só migalhas dispersas
A encher as bocas de um inferno
Prestes a acontecer?

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Almas quebradas

(Foto; viagem pela marginal)


Sabedores de um círculo aberto, até que seja reposta a ordem inversa, ao traçar-se a única trajectória onde os navegantes circulam sempre no sentido oposto, será assim o indicador dessa mesma ordem. Serão sempre todos os sentidos remetidos ao novo círculo que começa agora a tomar forma, a dizer-se onde e como deve chegar a todos os lugares. Na terra correm rumores de signos outros, correntes que extravasam as almas quebradas, a atingir a fonte de um espaço aberto, um remedeio deste meu cansaço. Quero que as forças dos teus braços me sigam rumo ao tempo, em que de joelhos no chão, me cegava quando atingia as alturas onde o teu corpo descansava e o meu se entregava às ceifas das searas amadurecidas pelo tempo. Quero que todos os sóis se espalhem por todos os espaços onde acordas as formas e adormeces todos os meus sorrisos. Quero um novo sorriso nas faces da lua, e que a noite seja o novo círculo a afagar os medos e remediar outros cansaços.

Saber que o meu corpo é um desejo e a minha alma uma corrente a gastar-se nas formas dúbias que carrega, é assumir que há correcções que só servem para manipular os sentimentos e disseminar as curvas e contra curvas de um corpo que quer, porque quer, assumir-se inteiro e verdadeiro na proporção dos desejos da alma. Porque os meus sonhos te desenterraram ? Porque as minhas mãos manipularam a fome, o desejo, a sede e todos os tempos que me contornaram, na procura de um só movimento, de uma só forma que sairá em tempo certo das tuas mãos?

Cairam todos os andores e todos os braços erguidos aos céus se desconjuntaram. Há santos espalhados pelo chão e nódoas negras nas minhas pernas, por me ter permitido ser um, em todos os fragmentos que ficaram. Lembrei-me de um sonho que beliscou a tua mão trémula, quando permitiste ser Homem na terra e Deus no Céu.

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Formas

(Escultura de Ricardo Kersting, in Mulheres Aladas)



Já namorei durante tanto tempo esta peça, que hoje foi irresistível não a trazer para perto de mim...


...quem sabe, encontro-me nas suas formas, não fosse eu uma entre muitas as formas inexistentes, esperando talvez uma mão em concha

Passado e Futuro

(foto D.M. - Grafitis, Uma arte no escuro, com Joaquina e Rita Silva)
*


Passamos tanto tempo, a olhar as pegadas que deixamos no chão, e não sabemos que vão ser varridas pelo próprio tempo


********************


à minha amiga Clarisse, com desejos de um ano muito feliz