quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Altas Esferas... Onde as Estrelas Dormem

Viajar no espaço, seria o ideal para te idealizar no alto, onde os sons dormitam, e as esferas coabitam no silêncio. Escrevi um dia: esta necessidade urgente de mudança, esta busca incessante pelo novo, este "cortejo fúnebre" que nos leva pelos corredores de uma vida ausente, mas presente em todas as "modalidades". Alcançamos todos os pontos indicados no caminho, visualizamos todas as arestas que se focam no centro e nós andamos às voltas até encontrarmos o que nos faz ser neste mundo. Há sempre um senão...não sabermos se é este o registo onde ficamos, ou se outro onde nos encontramos, sempre que nossos olhos se abrem à procura de nós. Este é mesmo aquele caminho mais difícil de percorrer.
As respostas são sempre tão vagas, e as minhas palavras não realçam nem o tamanho das minhas dores, nem a cor do meu sentir.

Revejo-te num mundo onde já nada se pode colher, a não ser este rubor humedecido, onde me deito para poder sonhar e amar. São estas altas esferas da escrita onde dormem as estrelas, que me levaram também a escrever: As palavras têm um tom cobre! Cobrem-me de todas as cores, neste sonho que se torna real a partir do momento em que entro no jogo, e deixo a porta aberta a quem quiser jogar. Mas jogar pressupõe seguir certas regras, e nelas estamos todos com uma pré-disposição, que poderá ser ou não, disposta ao mais pequeno ruído, aquele que difere de um outro que se chama "tom" numa escala maior.

Vi-te chegar tão devagarinho, que quase sumias por entre as luzes que me visitam nas noites em que escrevo palavras soltas ao abandono. Será que alguém lê e as entende? (Penso que serei assim uma espécie de estrela a luzir ao fundo do túnel mas que ninguém vê, nem mesmo se me tornasse céu). Seguem rumos diferentes quando as despejo nesse céu de estrelas reluzentes, que se queixam de tanto céu e pouco sol. A Lua ainda se encontra imobilizada na estação anterior, encalhou na madrugada e as estrelas rumam por caminhos incertos neste mar onde as palavras se gastam e se consomem de tanta dor, tanta tristeza. O amor é já o ponto de passagem para a outra margem. É lá que me encontras se conseguires transpor esse muro de palavras gastas, de vocabulários mais que arrastados pelas marés. Levantei voo rumo ao ponto onde acordámos que faríamos a história nascer de novo e tu ficaste preso no mar alto. Esperas que as musas te assaltem de sobressalto, e não vês que na profundidade dos meus olhos, está uma vida que assenta nos mais altos ideais, rumo a outros mundos onde o abraço se quer sempre laço até ao fim do caminho. Serenar o espírito, encontrar-me entre um e outro mundo que se encosta às margens onde já me encontro, é o início da última jornada.

Espero por ti!

(In "ÀS Escuras Encontro-te"
(Foto de minha autoria num mar "onde dormema já as novas estrelas)

Sem comentários: